AGRISHOW 2017 - Novidades

     Estive na AGRISHOW 2017 acompanhando o lançamento da Kuhn e as tendências das máquinas agrícolas na atual conjuntura tecnológica e de mercado. Continue lendo este artigo onde farei alguns relatos de algumas novidades.


     Primeiramente gostaria de destacar para você o lançamento da máquina Stronger mecânica da Kuhn, onde suas maiores virtudes são a economia operacional e de manutenção, além da facilidade na de operação que é disponibilizada para o condutor do pulverizador. Também está disponível com a maior barra do Brasil, cobrindo maior área e minimizando a compactação de solo. Nesta versão você pode chegar a usar uma barra de 40 metros de alumínio!




     Também, pela primeira vez na AGRISHOW, você pôde ver uma empresa de gestão da inovação expondo suas tecnologias e propostas de negócios, possibilitando ao homem do campo acesso a ferramentas de tecnologia, solução de problemas, redução de custos e inovação. Trata-se da MJV, empresa com vasto conhecimento em Design Thinking. A MJV possui escritórios em São Paulo, Rio de Janeiro, Londres, Atlanta e Houston. Maiores informações sobre as tendência de inovação é só clicar no link abaixo.


     Outra tendência que está se consolidando é o uso de drones no agronegócio, onde você pode utilizar para ter bons ganhos de produtividade e grande redução na aplicação de insumos na lavoura. Esta tecnologia é bem recente, mas está tornando-se uma excelente ferramenta de apoio as decisões dentro das fazendas. Neste setor poderei te dar um exemplo de empresa que está se destacando nesta tecnologia que é a Skydrones; http://skydrones.com.br/

     Bem, as novidades são muitas, quis apenas salientar algumas iniciativas e tendências mais importantes na AGRISHOW. Espero que você tenha gostado das observações e que elas possam contribuir para uma aplicação prática em seu trabalho. Abs










Publicação Revista Lideranças Março 2017


Como a Logística está reagindo e como reagirá após a crise econômica?

Ações para melhorar a Logística após a crise!

     Nas últimas semanas você deve estar lendo, vendo e ouvindo falar sobre a grande safra de grão que o Brasil está atingindo e os grandes resultados que estamos tendo em nossa balança comercial através do agrobusiness. E você não acha que isto é ótimo? Eu acho que Sim!

     Abaixo mostro para você a produção brasileira de grãos nos últimos anos, onde você pode observar um aumento na produção de mais de 32% em relação a 2011/12.

   
     Segundo o IBGE, temos entre 10% e 12% de perda de grãos durante o transporte após a saída da porteira das fazendas, ou seja, isto deverá representar uma perda de 22 milhões de toneladas nesta safra!
    
    

   
     Um dos modais mais utilizados para transportar toda esta carga anualmente é o transporte rodoviário, fazendo uso das nossa estradas, que em alguns casos estão em péssimas condições de trafegabilidade, e como consequência os custos e as perdas são muito grades. Estatísticas do IBGE diz que perdemos entre 10% à 12% a cada safra. Você pode imaginar o que é isto? São mais de 600.000 carretas de caminhões em perdas por safra!

     Como transportar esta safra toda até os consumidores finais, ou como levar estes grãos até os portos para exportar?

     Continue lendo este artigo, que vou abordar uma saída para reduzir as perdas de grão durante o transporte...

     Além disto, após os grãos chegarem nos portos, sofremos com outras ineficiências e perdas, aumentando também os custos de exportação. Para você ter uma ideia, anualmente perdemos 6% do PIB por ano, aproximadamente R$ 250 bilhões, segundo o Banco Mundial.




     E as nossas ferrovias?

     Segundos estudos e estatísticas da ABIFER - Associação Brasileira da Indústria Ferroviária, tivemos em média por ano na década de 70, mais de 30.600 vagões produzidos. Depois caímos para uma média anual de 3.400 vagões produzidos na década de 90, praticamente sucateando o transporte ferroviário no pais. Abaixo mostro para você no gráfico, mais detalhes da produção média anual por década.


     Você deve estar se perguntando como está hoje a produção média de vagões...estamos recuperando o atraso das décadas anteriores, ufa!

     E quais são os seus sonhos para este desafio de perdas de grãos no transporte ?


     -Acredito que você deve estar desejando estradas mais conservadas;
     -Também você deve estar pensando em mais ferrovias com vagões de cargas eficientes;
     -Portos preparados para escoar a safra com maior rapidez e economia;
     -Sistemas aduaneiros eficientes facilitando a exportação e com menor burocracia.

     Bem, estes são apenas alguns sonhos que eu e você estamos pensando e desejando, certo?

     E que tal minimizar a perdas de grãos e de quebra diminuir os impactos dos prejuízos causados pelo transporte?

     Qual o segredo para alcançar esta meta de redução nas nossas perdas?

     A grande saída para a redução nos impactos nas perdas é agregarmos valor aos nosso produtos. Temos que reduzir a exportação das commodities diretamente e de forma pura, ou seja, agregar valor aos produtos vendidos no mercado interno e exportados. Como?

     Aprofundando o nosso conhecimento na cadeia de suprimentos do agronegócio e transformando os nossos grãos em leites de alta qualidade, iogurtes, ovos ou massas,  e nas venda finais multiplicarmos o valor agregado aos produtos vendidos.



     Resumindo, a saída é diminuirmos o transporte de grãos até os portos e passarmos a transportar e exportar produtos de maior valor agregado, deixando a cadeia de suprimentos do agronegócio mais forte. Um bom exemplo disto são as nossas grandes cooperativas que transformam produtos e agregam valor.

     Se você está gostando destas ideias e do artigo e quer apoiar mais pessoas a enfrentar os desafios na cadeia de suprimentos, compartilhe ou deixe a sua opinião. Abs!


Adeus stress do ano velho! Como fica a economia em 2017?

Você passou por alguma preocupação devido ao cenário econômico e político em 2016?

Abaixo, resgatei alguns indicadores de 2016 para fazermos uma breve análise. Vamos recordar o que passamos neste ano que está acabando:

PIB = -3,2%
IPCA = 7%
Desemprego = 11%
Política = ? (*)
Safra de grãos = -10%
(*) Fica por sua conta!

Os números acima, já são o suficiente para entender como foi 2016 para você, certo?

Foi duro, corrido e estressante, então chega! Você não precisa de mais memórias tristes... Não é necessário falar sobre 2016, melhor esquecer!

Com o ano de 2016 acabando é melhor seguir o ditado:

“Julgue seu sucesso pelas coisas que você teve que renunciar para conseguir.” Dalai Lama.

Continue lendo este artigo e você verá que os ventos estão mudando, e para melhor!

As notícias para ao próximo ano, no que tange aos indicadores macroeconômicos, são melhores, e a comunidade profissional já está cansada índices ruins. Todos já fizemos a nossa parte dentro das empresas e em casa, e você concorda com isto?

No infográfico abaixo, mostro para você um comparativo entre 2016 e 2017 com alguns indicadores macroeconômicos, onde você pode ver que há uma substancial melhora no quadro geral da economia:






Você acredita que 2017 será melhor que 2016?


Eu acredito que sim, pois alguns indicadores já apresentam ligeira melhora para o Brasil no próximo ano, ou seja, estou otimista que será o início de uma longa recuperação na economia para os anos vindouros. Feliz 2017!